Vocabulário do Vinho


Aberto: termo degustativo que significa um vinho pronto para beber

Acabamento: a impressão de texturas e sabores que se prolongam na boca após engolir o vinho

Acidez: a vivacidade e o frescor em um vinho que ativa as nossas glândulas salivares

Ácido cítrico: uma dos três ácidos predominantes em vinhos

Aeração: a adição deliberada de oxigênio para tornar o vinho mais completo e suave

Ácido málico: um dos três ácidos predominantes em uvas. O ácido málico ocorre naturalmente em várias frutas como maçãs, cerejas, ameixas e tomates;

Ácido tartárico: o ácido principal em uvas, o ácido tartárico estimula o sabor e envelhecimento no vinho

Adstringência: termo de degustação que determina a sensação seca, forte e amarga na boca causada pelo alto nível de tanino

Álcool: etanol (álcool etílico), o produto da fermentação de açúcares pela levedura

Amadeirado: termo que denota os cheiros e sabores da baunilha, especiarias culinárias, côco, mocha ou aneto causado pelo envelhecimento no barril

Amargor: uma sensação do paladar que é sentida atrás da língua e causada pelo tanino

Anosmia: a perda do cheiro

Appellation: uma determinada linha de produção de vinho de uma região da França

Aroma: o cheiro do vinho, especialmente do vinho jovem (diferente do “buquê)

Arrolhado: termo que denota um vinho que sofreu “gosto de rolha” (não se trata de vinho com partículas de rolhaflutuando nele)

Balanço/equilíbrio: um termo para quando os elementos do vinho (ácidos, açúcares, tanino e álcool) se unem de maneira harmoniosa

Barril: o container de carvalho usado para fermentar e envelhecer vinhos

Barrique: um barril de carvalho de 225 litros usado originalmente para guardar e envelhecer vinhos, proveniente de Bordeaux

Blend (vinhos de corte): vinho feito de mais de uma variedade de uva

Boca do barril: a abertura em um casco por onde o vinho pode ser colocado ou retirado

Bordeaux: a área no sudeste da França considerada uma das melhores regiões produtoras de vinho no mundo

Borra: sedimento consistindo em células mortas de levedura, polpa de uva, semente e outros resíduos de uva que se acumulam durante a fermentação

Borrado: termo para aromas ricos que resultam do vinho que descansa em sua borra

Botrytis: um mofo benéfico que penetra a pele de uvas e causa desidratação, resultando em um suco de uva natural extremamente alto em açúcar. Botrytis é em grande parte responsável pelos melhores vinhos de sobremesa do mundo.

Brettanomyces: uma levedura que estraga o vinho e produz aromas fétidos ou metálicos

Brilhante: uma observação de degustação para vinhos que parecem espumantes claros

Bruto: a sensação tátil “áspera” que é experienciada com vinhos muito adstringentes

Brut: termo francês denotando champanhes secos ou vinhos espumantes

Buquê: um termo que se refere ao aromas complexos de vinhos envelhecidos

Carvalho: tipo de madeira mais utilizada para a construção de barricas e tonéis.

Chaptalização: adicionar açúcar ao vinho antes ou durante a fermentação para aumentar o nível de álcool. Chaptalização é ilegal em algumas partes do mundo e altamente controlada em outras.

Claret: o nome que os ingleses usavam quando se referiam aos vinhos tintos de Bordeaux

Complexo: um vinho exibindo diversos odores, nuances e sabores

Compostos fenólicos: compostos naturais presentes nas cascas e sementes da uva

Condimentado: um termo usado para odores e sabores que lembram pimenta preta, folha de louro, curry, especiarias, orégano, alecrim, tomilho, açafrão ou páprica encontrados em certos vinhos

Colheita: o ano em um vinho é engarrafado; o rendimento de vinho de um vinhedo durante uma única temporada

Corpo: uma sensação tátil descrevendo o peso e volume do vinho na boca. Um vinho pode ter corpo leve, médio ou encorpado

Crescimento de classe: ver cru classé

Cru classé: uma vinícola de alta posição determinada na Classificação Bordeaux de 1855

Cuvée: no champanhe, um lote de vinhos misturados

Decantação: expor o vinho ao oxigênio para melhorar seu sabor

Demi-seco: termo francês que significa “meio seco”, usado para descrever um vinho espumante doce

Doce: vinhos com teor de açúcar perceptível no aroma e no sabor

Encorpado: um vinho com muitos sabores, estruturado, comumente descrito como “grande”

Enologia: a ciência do vinho e de fazer vinhos

Estrutura: um termo ambíguo que implica harmonia de fruta, álcool, acidez e tanino

Envelhecimento/maturação: manter o vinho em barris, tanques e garrafas para fazê-los chegar em um estado mais desejável

Fechado: termo que descreve vinhos jovens ou subdesenvolvidos cujo sabor não se destaca

Fermentação alcoólica: conversão dos açúcares da uva para álcool através da levedura

Fermentação malolática: uma fermentação secundária na qual a acidez do ácido málico no vinho é transformada em uma sensação suave e lática. Vinhos descritos como “amanteigados” ou “cremoso” passaram pela “malo”

Filoxera: um inseto microscópico que mata videiras atacando as raízes

Foxado: um termo que descreve o odor e sabor bolorento de vinhos feitos da vitis labrusca, uma variedade comum na América do Norte

Frutoso: um termo para vinhos que tem cheiro e sabor fortes de fruta fresca

“Gosto de rolha”: aromas e sabores indesejáveis em um vinho, normalmente associados com caixas de papelão molhadas ou porões com mofo

Herbáceo: um termo que denota odores e sabores de ervas frescas (por exemplo, manjericão, orégano, alecrim, etc.)

Jovem: um vinho imaturo que normalmente é engarrafado e vendido dentro de um ano da sua colheita. Vinhos que são feitos para serem bebidos “jovens” são conhecidos pelo sabor fresco e suave.

Levedura: um microorganismo endêmico para vinhedos e produzido comercialmente que converte açúcar de uva em álcool

Maduro: vinho com bom grau de amadurecimento, no seu momento ideal para consumo.

Mosto: suco de uva não fermentado que inclui sementes, cascas e caules

Negociante: palavra francês descrevendo um atacadista mercador, misturador ou transportador de vinhos

Oxidação: vinho exposto ao ar e que passou por uma mudança química

Peso: similar a “corpo”, a sensação quando um vinho parece grosso ou rico no paladar

Podridão nobre: o termo leigo para botrytis benéfica

Superalcoólico: uma descrição para vinhos com alto teor de álcool

Tampão: A “rolha” usada para selar um barril de vinho

Refinação: adição de claras de ovos or gelatina (entre outros) para limpar o vinho de partículas indesejadas

Retrogosto: a quantidade de tempo que o sabor persiste na boca depois de engolir o vinho, uma sensação duradoura

Rendimento: a produtividade de um vinhedo

Sabores: odores percebidos na boca

Sec: palavra francesa para “seco”

Seco: uma sensação do paladar normalmente atribuída aos taninos e que causa sensações de “fazer biquinho” na boca; o oposto do doce

Sensação na boca: como um vinho reage no paladar; pode ser bruto, suave, aveludado ou encorpado.

Sommelier: um servidor de vinho; também usado para denotar um profissional em vinhos certificado

Taninos: os compostos fenólicos em vinhos que deixam uma sensação amarga, seca e de

“fazer biquinho” na boca

Terroir: termo francês para características geográficas únicas de um dado vinhedo

Terroso: um odor ou sabor que lembra terra úmida

Textura: termo para descrever como o vinho se dá no paladar

Tipicidade: termo que descreve quão bem um vinho expressa as características inerentes à variedade da uva

Ullage: o espaço vazio que fica em garrafas e barris conforme o vinho evapora

Vegetal: termo que descreve as características de vegetais frescos ou cozidos detectadas no aroma e nos sabores de um vinho. Pimentão, grama e aspargo são vegetais descritores comuns.

Vindima: colheita das uvas

“Vinhaça”: gíria para vinho barato; também usado para descrever vinhos de baixa qualidade

Vinho: suco fermentado de uva

Vinificação: o processo de fazer vinho

Vinologia: o estudos científico de vinho e de fazer vinhos